Páginas

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Resenha: “A Culpa é das Estrelas”, por John Green

Também conhecido por: aquele post que deveria ter sido publicado em setembro, mas pelos menos antes do fim do mundo você estará lendo-o!

Título original: “The fault in our stars”
Autor: John Green
ISBN: 9788580572261
Páginas: 283
Editora: Intrínseca
Ano da edição: 2012
Avaliação: 5 estrelas
Sinopse:
Em A Culpa é das Estrelas, Hazel é uma paciente terminal de 16 anos que tem câncer desde os 13. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.

O que dizer de “A Culpa é das Estrelas” (ACEDE)? É um livro que envolve um assunto forte: câncer. Porém os personagens mostram o outro lado. Eles não são apenas pacientes, são serem humanos como qualquer outro. Divertidos, jovens, descobrindo o mundo. Tratam o assunto com naturalidade.

A Hazel e o Gus me conquistaram. O modo como eles se conheceram foi bem peculiar, e a partir dali muita coisa aconteceu. A Hazel é uma personagem muito interessante, têm uns gostos muito maneiros. Já o Gus é parecido, mas eles divergem em algumas opiniões.

A Hazel adora o livro “Uma Aflição Imperial”, e já o releu inúmeras vezes. Esse livro tem uma curiosidade que me causou muita reflexão. Não vou comentar profundamente para que vocês possam aproveitar plenamente a leitura de ACEDE. Ao ler, pense sobre o significado dessa curiosidade.

Um ponto importante de ACEDE é o apoio da família. É notável a preocupação que os pais tem com os filhos, porque além de serem adolescentes, alguma complicação decorrente do câncer é imprevisível. É muito cruel essa instabilidade, tanto para a pessoa que está doente, quanto para os familiares.

“A Culpa é da Estrelas” é uma história linda, e como diria o School Library Journal: "É uma história dolorosamente bela". Infelizmente, quando eu li estava muito atarefada com atividades do colégio, e quero reler esse livro em algum período de férias para conseguir sentir tudo o que poderia ter experimentado. Portanto, recomendo a leitura para estes períodos. Enfim, o livro é super recomendado, ainda por cima, por causa da ótima escrita do John Green (que é um lindo, também, rs)!

booktour-aculpaedasestrelas-resenhaPara finalizar, eu gostaria de agradecer muitíssimo ao blog Conversa Cult por ter disponibilizado o pelo Book Tour. Gostaria de perdi desculpa por ter atrasado o envio (foi na época da greve dos correios), e também, pode ter atrasado a publicação da resenha (devido ao Hiatus do blog e uns vestibulares aí, rs).

Também, gostaria de divulgar um projeto muito legal que o Conversa Cult está iniciando, o Charlie's Booklist 2013: As Vantagens de Ser um Leitor. O projeto é o seguinte: ler os 12 livros lidos pelo Charlie em “As Vantagens de Ser Invisível”. São clássicos americanos, e podem ser lidos em inglês ou em português. Será um clube do livro, e as pessoas vão interagir sobre o que leram. Ficaram aminados? Eu fiquei muitíssimo!

Até mais, and: DFTBA!

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Resenha: “Cidade dos Ossos” – Os Instrumentos Mortais #1, por Cassandra Clare

Ca

Título original: “City of Bones”
Autora: Cassandra Clare
ISBN: 9788501087140
Páginas: 459
Editora: Galera Record
Ano: 2010
Avaliação: 5 estrelas
Sinopse:
Um mundo oculto está prestes a ser revelado... Quando Clary decide ir a Nova York se divertir numa discoteca, nunca poderia imaginar que testemunharia um assassinato - muito menos um assassinato cometido por três adolescentes cobertos por tatuagens enigmáticas e brandindo armas bizarras. Clary sabe que deve chamar a polícia, mas é difícil explicar um assassinato quando o corpo desaparece e os assassinos são invisíveis para todos, menos para ela. Tão surpresa quanto assustada, Clary aceita ouvir o que os jovens têm a dizer... Uma tribo de guerreiros secreta dedicada a libertar a terra de demônios, os Caçadores das Sombras têm uma missão em nosso mundo, e Clary pode já estar mais envolvida na história do que gostaria.

Oh, well: A primeira resenha depois desse pequeno hiatus do blog não poderia ser de um livro melhor. “Cidade dos Ossos” é mais um daqueles livros que estão no meu “vou ler” há um ou dois anos, e só agora tive a oportunidade de ler. Isso, claro, graças ao maravi-lindo Livro Viajante, dessa vez disponibilizado pela Patrícia Nedina (OBS.: Obrigada pelo prazo a mais).

Confesso que demorei a engrenar a leitura, a entrar no Mundo das Sombras. Era estranho, parecia muita brisa e viajado por demais. Porém, em meados da página 100 a leitura fluiu. No final, eu já não conseguia mais largar o livro, de tão bom que estava. Pode soar como uma ofensa ou um desgosto em relação ao livro, mas a narração parece uma novela mexicana. Ou, melhor, assemelha-se com a estrutura daqueles livros que antes de serem publicados eram folhetins – aqueles do Romantismo, como “Memórias de Um Sargento de Milícias” ou “A Moreninha”. Isso porque sempre é deixado um suspense para o próximo capítulo. Portanto, não é uma crítica depreciativa. É um fato que faz com que o leitor queria ler mais e mais.

Os personagens são cativantes. A Clary não sabe o quão bonita é (como o Jace disse em uma parte do livro), e também é sincera; principalmente quando há um conflito. O Simon, melhor amigo da Clary, é um nerd, e eu gostei dele. Mas, ele demora muito para agir com relação aos assuntos do coração, e isso atrapalha a própria felicidade dele. Já o Jace, é um badboy que me cativou! <3 Ele é forte, apesar de todos os dramas pelos quais já passou. E, claro, ele é ~suspiros~ liiindo! Os irmãos Lightwood, Isabelle e Alec, são um pouco chatos, contudo, no decorrer da história, eles vão evoluindo. A Isabelle tem uma personalidade forte, e o Alec guarda um certo segredo.

São diversas as criaturas que os Caçadores das Sombras combatem caso estejam desarmonizando o Mundo das Sombras. São elas: os demônios, vampiros, lobisomens, renegados (mundanos que receberam muitas marcar no corpo e se transformaram em criaturas grotescas, e que normalmente, vivem pouco, por conta do tormento de ser um renegado), feiticeiros, as bruxas, fadas, dentre outros. Uma, digamos, sociedade, que é importante na história, são os “Irmãos do Silêncio”. A forma como eles atuam, chega a assustar, mas são boas atitudes, atitudes necessárias.

Não vou falar muito sobre as partes misteriosas do livro, porque seria spoiler. Digamos que algumas árvores genealógicas me deixaram perplexas. Espero que não passem de engano, e que no próximo livro volte tudo ao normal… Quem sabe na resenha de “Cidade das Cinzas” eu não revele o que me deixou de queixo caído no primeiro livro?

“Cidade dos Ossos” é um livro muitíssimo recomendado, principalmente para quem curte fantasia, e aventura. Apesar de ter demorado para ler – por ser o último bimestre do ensino médio –, é um livro de leitura rápida, porque é empolgante. É uma mistura de aventura e romance adolescente, o que o também o torna divertido.

  • Adaptações CINEMATOFRÁFICAS

Eu sei que tem gente que não gosta de ler (e nem sei se alguém assim, estaria lendo o blog), e sei também, que tem gente que ama ler e prefere ler antes de ver o filme (= eu). Portanto, confiram o Trailer de “Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos”:

Curtiram? Eu achei parecido com o livro. BUT, o Jace da minha imaginação é bem mais bonito.

Até o próximo poost! =P

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Ressurgindo!

Oiee gente! Quanto tempo, não é? O hiatus acabou!
Veja mais sobre isso no vídeo:

Alguém aí desconfia de que livro seja a resenha? Comenta aí!

Beijooos!