Páginas

sábado, 31 de dezembro de 2011

Retrospectiva 2011

Olá leitores!

O ano de 2011 já está indo embora, e eu gostaria de agradecer a presença de vocês que contribuem comentando e participando das promoções do blog (apesar de até agora só ter tido uma, rs). Mas, 2012 será um ano bem melhor! Haverão mais promoções, tenham certeza!

2011 foi um ano bem estranho para mim. Só que não deixei as coisas ruins transparecerem aqui, e não comentei nada disso que ocorreu na minha vida. Agora, tudo isso é passado.

Esse ano de 2012 promete! Tenho metas à cumprir, como a do Desafio Literário 24/12 (2.0) (cujo a lista está quase completa, faltando apenas três livros), promoções para bolar, e muitas outras coisinhas!

Quero pedir desculpas pelos abandonos que o blog sofre de vez em quando. Têm meses que os professores pedem muitos trabalhos e acontecem várias provas, e isso faz com que eu leia pouco, gerando poucos posts. Além disso, em vários vídeos eu disse que ia falar de alguma obra no próximo, mas não consegui mais gravar! Não sei qual é o problema, na câmera, no cartão de memória, na outra em que converto a gravação, só sei que dá erro na hora em que edito o vídeo e isso me irrita! Tanto é que gravei um vídeo em outubro e nunca o publiquei por conta desde problema, :(! Mas, planejo gravar um novo vídeo essa semana, e com sorte conseguirei postá-lo para vocês, rs! Afinal, já será em 2012 e o ano promete ser bom (apesar de os Maias terem dito que o mundo vai acabar em 2012, ¬¬)!

Querem saber quais os posts mais visitados em 2011?

  1. Peça: “Memórias de um Sargento de Milícias”;
  2. Resenha: “Flora Segunda”, de Ysabeau S. Wilce e
  3. Resenha: “Cinderela Chinesa: a história secreta de uma filha renegada”, de Adeline Yen Mah.

Em 2011fiquei indignada com algumas coisas no mundo literário, conheci o grupo Livro Viajante, o blog teve a primeira parceria com autores, e fiz amizade com outros blogueiros! Isso foi muito bom!

Ontem, tive um “debate” no Facebook sobre e-books, livros impressos, impostos e pirataria. Foi um momento épico, amei o debate, foi muito legal! Nesse momento, acabei de ver que o blog teve o maior número de visitas nesse mês de dezembro! Então, devo agradecer muitíssimo a vocês, leitores: Muito obrigada!

Que 2012 venha e que traga muitas felicidades, que as lágrimas que forem derramadas sejam de alegria, que as metas sejam cumpridas, que as ideias que estou tendo deem certo! Vem 2012, vem para ser um dos melhores anos, vem!

Tenham um ótimo réveillon!

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Resenha: “A outra face – História de uma garota afegã”, de Deborah Ellis

img046
Autor: Deborah Ellis
ISBN: 9788508084272
Páginas: 128
Editora: Ática
Ano:
2010
Avaliação: 5 estrelas

A obra trata sobre a vida de Parvana, uma garota afegã de 11 anos, durante o regime do Talibã. A história da garota não é verídica, mas é inspirada em relatos obtidos pela autora Deborah Ellis em campos de refugiados.

Talibã é um “governo” presente no Afeganistão entre 1994 e 2001, apesar de ainda hoje terem pessoas apoiando e fazendo parte do movimento. É visto como terrorista por alguns países.

A família de Parvana tinha uma boa estabilidade econômica. Mas, começou a guerra com a antiga União Soviética, e posteriormente a guerra civil promovia pelos Talibãs, o que gerou vários bombardeios em Cabul, capital do Afeganistão. As bombas atingiram a casa da família, que teve que se refugiar em locais cada vez menores, sempre se mudando quanto uma bomba acabava com a moradia em que estavam, até chegarem ao ponto de morarem em um único quarto alugado.

O regime Talibã impôs que as mulheres não pudessem andar nas ruas desacompanhadas de um homem. Assim também, impôs que elas deveria usar a burca (uma roupa que as cobre dos pés à cabeça, apenas tendo a abertura no espaço dos olhos) fora de casa. Com duas irmãs, um irmão bebê, a mãe e o pai, a única pessoal que podia sustentar a família e exercer a função de acompanhante, era o pai.

O que fazer quando sem mais nem menos Talibãs invadem a casa e levam o pai da família? Como sobreviver em uma sociedade que é liderada por extremistas islâmicos que proíbem as mulheres de trabalharem? Qual a solução que a família de Parvana dará para o problema?

O jeito que a família encontrou para solucionar o problema foi bem inusitado. Para Parvana foi um pouco difícil, mas sabia que era o único modo de ajudar. A decisão que ela tomou é muito importante, e mostra que o amor à família dela está acima de muitas coisas.

Uma das piores proibições dos Talibãs (que pasmem, significa ‘estudantes’) foi não permitir que meninas estudassem. A mãe e o pai de Parvana são formados em universidades inglesas, os filhos estudavam e estavam construindo um bom futuro. Os talibãs, de estudantes, não têm nada.

Recomendo o livro para pessoas que gostam livros com contexto histórico, que querem se inspirar em uma personagem forte como Parvana, e até mesmo para àquelas que têm horror a livros enormes e que estão a fim de ler algo curto e rápido.

“A outra face – História de uma garota afegã” tem uma continuação intitulada “A Viagem de Parvana”, o qual estou quero muito ler!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

RESULTADO: Promoção “Ainda não te disse nada”

Primeiramente, gostaria de agradece a todas as participações. Agora, a ganhadora da primeira promoção do “Ler é Conhecer”, é:

Captura de tela inteira 22122011 232938.bmp

Que, de acordo com os comentários é a Thais.

Obs.: O comentário 3 não é válido, portanto, o quarto comentário é o 3, e assim por diante. Não quis apagar o comentário inválido para que haja clareza na promoção, e todos possam ver que eu não houve erros.

Thais, você tem 3 dias para responder o e-mail que enviei.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Resenha: “Ainda não te disse nada”, de Mauricio Gomyde

img045
Autor: Mauricio Gomyde
ISBN: 9788591184019
Páginas: 236
Editora: Porto 71
Ano:
2011
Avaliação: 4 estrelas
Esse foi o primeiro livro que recebi de parceria com autores, e que no caso foi do autor Mauricio Gomyde. Além de autor,  Mauricio é baterista, compositor e ex-estudante de cinema. Já publicou outro livro, intitulado “O mundo de vidro”, que gostaria muito de ler, já que gostei bastante de “Ainda não te disse nada”.

Os primeiros capítulos de “Ainda não te disse nada” são praticamente um prólogo. Em seguida a narrativa se focaliza em Marina Albertini, uma loira alta linda de morrer, a mulher que qualquer homem deseja. Marina nasceu no interior de São Paulo, e decidiu seguir o sonho de estudar moda na capital, desistindo da vida com padeira, influência da descendência italiana. Começou a trabalhar nos correios e à noite, faculdade no Istituto Europeo di Design, Scuola di Moda a San Paolo.

O livro têm várias frases em italiano e isso é muito legal! Dá para entender tudo sem precisar de tradutor ou dicionário. Afinal, italiano também é uma língua românica, assim como português, portanto, são parecidos. Além disso, as referências à Europa são de mais! Para quem deseja conhecer o Velho Mundo, é tudo bom! Dá um gostinho de quero mais, de querer saber mais dos lugares maravilhosos!

As duas melhores amigas de Marina são Francesca e Thaís, também estudantes de moda. A primeira acaba de se separar, e tem uma filhinha apelidada carinhosamente de Ciça. A segunda está em um relacionamento mormo, e está sempre com o gravador para registrar pensamentos que serão úteis no livro que está escrevendo.

Marina tem uma vida muito boa, inclusive um blog famoso “À moda de Marina”, mas falta um companheiro da dividir as experiências vividas, falta um amor para completar a felicidade. As amigas a encorajam a dar uma chance ao Luca, o professor da faculdade. Mas, ela têm muitas dúvidas...


As coisas mudam completamente quando uma carta cai nas mãos de Marina e ela tem que decidir se irá respondê-la ou não. Mas, quem seria o remetente de palavras tão belas? Para quem seriam palavras tão lindas, que demonstravam tanto afeto?

O final de “Ainda não te disse nada” é lindo! Mas, ficou um gostinho de quero mais, saber só um pouquinho do que aconteceu! A única coisa que poderia ser acrescentada seria descrever mais um pouco o episódio final.

O livro é cheio de citações de música e artistas. A personagem principal tem o hábito de fazer listas de músicas com artistas que começam com a mesma letra. Achei isso fantástico, muito legal! Eu curto vários artistas citados, como KT Tunstall e O Teatro Mágico.


Mais um aspecto legal são os agradecimentos, no qual o Mauricio agradece aos blogueiros pelas parcerias. Mauricio, ser escritor é muito importante, fazer as pessoas viajarem sem sair de casa para presenciar novos horizontes é umas das melhores coisas do mundo. O seu trabalho é imprescindível para disseminar e instigar o hábito da leitura.


Recomendo o livro para todos aqueles que gostam de romances, para todas as garotas românticas, para quem deseja encontrar o verdadeiro amor, para todos os garotos que querem fazer algo especial, se espelhando em alguma situação do livro.


Obs.: Está rolando promoção do livro até 22/12. Participe: http://lereconhecer.blogspot.com/2011/11/ola-leitores-do-ler-e-conhecer-e-com-um.html

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Desafio Literário 24/12 (2.0)

Esse é o primeiro desafio literário que pretendo participar. Tinha visto outro DL, mas achei os temas muito complicados e teria que comprar vários livros para tentar cumprir a meta. Mas, o desafio a seguir é bem mais fácil, e irá tirar muitos livros que estão no meu “tenho e vou ler” do Skoob há bastante tempo!

Temas:

  1. Janeiro: Infanto-juvenil
    ”Leo e as caixas de música” – Ricardo Prado (RESENHA)
    ”A Árvore que dava dinheiro” – Domingos Pellegrini (RESENHA)
  2. Fevereiro: Livro de banca
    Coração Roubado” – Patricia Thayer (RESENHA)
    ”Anos Roubados” – Fiona Hood-Stewart (RESENHA)
  3. Março: Romance Policial
    ”E Não sobrou nenhum” (anteriormente como: “O Caso dos dez neguinhos”) – Agatha Christie (RESENHA)
    Manhã, Tarde & Noite” – Sidney Sheldon (RESENHA)
  4. Abril: Anjos ou vampiros
    ”Sussurro” – Becca Fitzpatrick (RESENHA)
    ”Escolhida”  – P. C. Cast (RESENHA)
  5. Maio: Terror ou suspense
    ”Os Homens que não Amavam as Mulheres” – Stieg Larsson (RESENHA)
    ”Carrie, a Estranha” – Stephen King (RESENHA)
  6. Junho: Literatura nacional
    ”Garota Replay” – Tammy Luciano (RESENHA)
    ”Quincas Borca” – Machado de Assis (RESENHA)
  7. Julho: Chick-Lit
    ”Sapatólatras Anônimas” – Beth Harbison (RESENHA)
    Cheio de Charme” – Marian Keyes (RESENHA)
  8. Agosto: Ficção científica
    ”A Volta ao Mundo em Oitenta Dias” – Júlio Verne
    ”Vinte Mil Léguas Submarinas” – Júlio Verne

  9. Setembro: Livro emprestado ou e-books
    A Culpa é das Estrelas” – John Green (RESENHA)
    Estilhaça-me” – Tahereh Mafi (RESENHA)
  10. Outubro: Contos ou crônicas
    ”As Crônicas de Nárnia” – C. S. Lewis (RESENHA)
    ”Coisas de homem & Coisas de Mulher” – Laé de Souza (RESENHA)
  11. Novembro: Clássico da literatura mundial
    ”Memórias Póstumas de Brás Cubas” – Machado de Assis (RESENHA)
    ”O Morro dos Ventos Uivantes” – Emily Brönte (RESENHA)
  12. Dezembro: Livro adaptado para o cinema
    ”Cidade dos Ossos” – Cassandra Clare (lançamento em 2013) (RESENHA)
    ”Desculpa, quero me casar contigo” – Federico Moccia (RESENHA)

Vários livros poderão ser substituídos

Gostou do desafio? Quer participar? Então, é só clicar na imagem do começo do post para ser redirecionado ao blog que organiza esse desafio.

Obs.: Eu vi esses desafios nos blog Seis Milênios. A Ana está participando de vários, percebe-se que ela AMA desafios literários, rs!

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Resenha: “Querido John – O que você faria com um carta que mudasse tudo?”, de Nicholas Sparks

Título original:Dear John”
ISBN: 9788563219022
Páginas: 276
Editora: Novo Conceito
Tradutor: Patricia de Cia
Ano: 2010
Avaliação: 5 estrelas

O livro “Querido John”, de autoria de Nicholas Sparks narra a vida de John Tyree, um jovem soldado. Ele estava passando uma licença de duas semanas na cidade natal (Wilmington, Carolina do Norte – EUA), quando ele e Savannah se apaixonaram. John nunca pensou que fosse amar alguém de uma forma tão inesperada. Muito menos Savannah.

O relacionamento começou após John pular no mar para buscar a bolsa de Savannah, uma garota morena que ele nem conhecia. Em seguida, ele foi convidado para ir à casa de praia onde ela e muitos outros jovens estavam hospedados para ajudar a instituição “Habitat para a humanidade”, construindo casas durante o verão. Depois desse dia, eles se tornaram inseparáveis.

Ambos carregam histórias de vida cheias de emoção que refletem em quem são. O pai de John é diferente. Ele é anti-sociável, e o único assunto que sobre o qual consegue conversar normalmente é sobre moedas. Ele tem uma coleção enorme. Além disso, ele tem uma rotina: Todo dia saí de casa às 07:35, e o dia segue sempre com o horário programado. O mais interessante disso tudo, é que ele conseguiu criar John sozinho, e nunca teve outra mulher. Bem, a mãe de John foi embora depois que ele nasceu, e ele não nunca teve vontade de conhecê-la. John foi um adolescente rebelde, e após perceber que sua vida estava estagnada, entrou para as forças armadas americanas.

Savannah é uma garota de 21 anos que estuda Educação Especial na Universidade da Carolina do Norte. Ela é escolheu esse curso, pois o irmão de Tim (um amigo de infância), Allan tem Autismo e ninguém entendia muito bem o menino. Os pais dela já ajudavam no “Habitat para a humanidade”, e essa foi a primeira vez que ela estava sem eles ajudando a instituição.

John volta para a Alemanha, para cumprir o período de alistamento. Durante esse tempo, ele e Savannah trocam cartas e telefonemas. É o ano de 2001, e um acontecimento terrível irá mudar o destino de ambos. Alguns meses se passam, e a pergunta do subtítulo faz sentido: “o que você faria com uma carta que mudasse tudo?”.

Todas as reviravoltas do livro ocorreram por sucessões de erros. Apesar disso, John Tyree foi O exemplo de altruísta. Ele podia não ter ajudado com a doação, e deixado o destino, enfim, conspirar para o próprio bem. Mas, ele não fez isso. Fez a felicidade dos outros sem receber nada em troca.

Nunca pensei que fosse chorar tanto depois de ler “Querido John”. Chorei muito em “Cinderela Chinesa”, mas lá a Adeline poderia mudar a história dela, tornar o futuro diferente. Aqui não, eles já tinham mais de 25 anos, e depois da decisão que Savannah tomou, e posteriormente John, nada mais poderia ser feito.

Recomendo o livro para todos que gostam de histórias românticas, pois o amor de Savannah e John é mais que lindo! O desfecho é surpreende. Quem é manteiga derretida irá chorar! Mas, quem não gosta de finais não-clichês, não deve ler esse livro.

Enfim, depois de ler “Querido John”, estou louca para rever o filme, que já havia visto antes de ler. Vou logo avisando que há partes diferentes, mas isso é assunto para outro post, onde irei comprar o filme x o livro.

O Autor

  • Nicholas Sparks é o renomado autor de vários best-sellers, como “Diário de uma Paixão”, “Um Amor para Recordar”, “A última música”, e muitos desses sucessos foram adaptados para o cinema.
  • “Querido John” foi o primeiro livro que li do autor e não deixou a desejar. É maravilhoso, apesar de também ser triste.

 

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

PROMOÇÃO: “Ainda não te disse nada”, de Mauricio Gomyde.

 promocao1
Olá leitores do Ler é Conhecer!

É com um enorme prazer que divulgo a PRIMEIRA PROMOÇÃO DO BLOG! Ela é super especial, pois conta com a parceria do autor Mauricio Gomyde, que também é baterista, compositor e ex-estudante de cinema. Cult, né? rs

Vocês estarão concorrendo ao livro “Ainda não te disse nada” AUTOGRAFADO, juntamente com um marcador de páginas do livro e adivinhem? Ele é autografado também! Não é de mais?


SDC10232


Para participar, é só seguir as regras:
  • Seguir publicamente o blog Ler é Conhecer (basta clicar ao lado em “Participar deste site”, tendo uma conta no Google, no Twitter ou no Yahoo!).
  • Seguir o autor no Twitter: @mauriciogomyde
  • Curtir a página do autor no Facebook: http://www.facebook.com/pages/Maur%C3%ADcio-Gomyde-Fan-Page/153025218116467
  • Ser residente no Brasil ou ter um endereço de entrega aqui.
  • Comentar UMA VEZ NESTE post o seu: Nome Completo, E-mail, Nome de Seguidor do blog, Username do Twitter e Url ou Nome no Facebook (para que eu possa verificar se o sortudo seguiu as regras).
Lembrando que a promoção do livro vai até 22/12/2011 às 18h00 (horário de Brasília) e o sorteado tem até 72 horas para responder o e-mail que enviarei. Agora, vocês vão ficar mais felizes ainda, pois:
  • Por participar desta promoção, no dia 15/01/2012, você ainda pode concorrer a um Ipad2 que o Mauricio Gomyde sorteará no blog dele. Para isso, basta clicar aqui e informar seu NOME, E-MAIL e o nome deste blog (LER É CONHECER).
Obs.: O Mauricio irá verificar se o ganhador do Ipad2 também está participando da promoção do livro aqui no blog. PARTICIPEM! Boa sorte a todos!

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Resenha: “Feliz Ano Velho”, de Marcelo Rubens Paiva

f_235701157-726d5d8c 5

Autor: Marcelo Rubens Paiva
Páginas: 232
Editora: Brasiliense
Ano: 1982
Avaliação: 5 estrelas

O livro “Feliz Ano Velho” é a autobiografia do autor Marcelo Rubens Paiva que sofreu um acidente em 14 de dezembro de 1979, aos 20 anos de idade. Ao mergulhar em “um laguinho de meio metro de fundura”, e bater a cabeça em uma pedra, ele ficou tetraplégico.

A obra começa com o relato de Marcelo mergulhando no lago. É muito horrível a sensação, e imaginar-se na situação é pior ainda. No primeiro momento, nem se sabe o que está acontecendo. Depois é que se soube a gravidade do problema.

Durante todo o livro, o leitor percebe como é não ter os movimentos do pescoço para baixo, e o drama de tentar reaver os movimentos, com muita fisioterapia. Os capítulos são divididos de acordo com o lugar em que o Marcelo estava, como na UTI e o hospital.

Além disto, a forma que o Marcelo escreve é muito boa! Apesar do que houve com ele ser muito ruim, o modo que ele descreve, as palavras que emprega é muito engraçado! Já logo avisando: este não é um livro para puritanos. Pois é cheio de palavrões, mas que fazem a narrativa ficar leve e divertida!

Outro aspecto que eu gostei foi que o Marcelo contou algumas situações que passou na Unicamp, onde cursava agronomia, e algumas das irmãs dele estudavam na USP. Essas são as melhores universidades públicas de São Paulo, e foi muito legal saber como era as coisas na década de 80. Por ser uma época de transição entre a ditadura e a volta da democracia, é mostrado a visão dos estudantes diante da repressão.

A narrativa conta os amores da vida do Paiva. Olha que foram muitos! Uma coisa que eu discordo com o autor é ele dizer que é tímido. Pois eu não tive a impressão de que ele fosse tímido coisíssima nenhuma!

O livro é muito bom! Recomendo para qualquer adolescente não puritano, ainda mais aqueles que curtem Rock ‘n’ Roll, ou uma filosofia de vida mais relax! A linguagem não tem nada de difícil. Vocês irão rir de mais!

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Selinho

Olá Leitores!
Ontem eu recebi o primeiro selinho do blog! A Lana do blog Hunters Culture me indicou. Fiquei muito feliz! Obrigada Lana! :D

Este é um selo/meme ganho por indicação e possui regras. São essas:
1- Repassar o Selo para mais 15 pessoas e avisá- las.
2- Responder as perguntas:
Nome: Mari
Música: Remembering Sunday – All Time Low
Dez coisas sobre mim:

1 – Gosto de ler (óbvio).
2 – Amo assistir séries, (atualmente: PLL, TVD, TSC, GA, GG e NG)!
3 – Ainda não decide o que irei cursar na universidade, mas tenho quase certeza que é Letras.
4 – Prefiro ler do que escrever. E, se for escrever, prefiro falar sobre os problemas e alegrias da vida. É bem melhor do que fazer aquelas dissertações no sense.
5 – O melhor ano da minha vida foi 2009. A viagem de formatura, o sarau, a formatura, tudo contribuiu para que eu não esquecesse as pessoas maravilhosas com quem estudei. O Ensino Médio munda tanta coisa…
6 – Sou tímida, mas isto está diminuindo (Thanks God!).
7 – Nunca fui para a praia com os meus pais, e nem em São Paulo. Mas, já fui na praia em Santa Catarina (viagem do 9º ano) e no Ceará (viajem de família – 2011).
8 – Criei uma superstição boba de não emprestar livros antes de lê-los, pois da última vez que fiz isso, tudo deu errado.
9 – Minha vida daria um livro. O público ficaria p. da vida com a protagonista, mas acho que eles a entenderia no final. Só que, falta tempo e vontade para transformar lembranças em palavras.
10 – Passo muitas horas na internet. Gostaria de lembrar como separava meu tempo antes do bichinho verde do computador invadir a minha mente, para voltar a ser como era.
Humor: Uma vez, me disseram que eu tinha cara me metida. Aí, eu fiquei perguntando para todas as minhas amigas se elas achavam isso, e claro que elas disseram que não! rsrs Esse ano, teve uma palestra no colégio, e o palestrante disse que muitas vezes confundem pessoas tímidas com pessoas metidas. Pois é, me encaixo no grupo do tímidos. Muitas vezes, eu não cumprimento a pessoa, porque eu espero que ela venha falar comigo. E no fim das contas, acaba que nenhum dos dois se cumprimentam, e adeus oportunidade de ser mais sociável. Não gosto disso. Gostaria de conversar com mais pessoas, mas uma barreira invisível me impede de fazer isso.
Cor (es) favorita (s): Roxo.
Um seriado: Grey’s Anatomy.
Frase ou palavra mais dita por você: “Nossa”, “então”, “mas” e o novoNa moral”, que foi um vício que peguei faz um mês, e eu o ODEIO. ‘-‘
O que achou do selo: Muito legal, :D!
Meus indicados (vou indicar 3 blogs, mas conforme o tempo, irei incrementar a lista):
Seis Milênios;
Livros, Letras e Metas;
Resenha e Cultura;
As tontas vão ao céu.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Universo literário: Livros Viajantes

Resolvi escrever esse post porque o meu primeiro livro viajante chegou. Psiu: Quem aí já ouviu falar em “livros viajantes”?

O termo pode parecer estranho, mas se existe até calça viajante (A Irmandade da Calça Viajante) na literatura, por que não livros no mundo real?

Nas férias de julho, eu estava passeando por uns blogs literários. Me deparei com o blog “Seis Milênios”, o qual eu amei, pois as resenha são estruturadas de maneira diferente (separadas por tópicos) e a variedade de livros é grande. Além de ter resenhas de vários autores clássicos. Então, li a resenha do livro "VikinG - Uma aventura no tempo e no espaço". Assim, vi que a dona do blog, Ana Carolina, estava organizando um viajante deste livro no Skoob. Minha reação: “Um viajante? Como assim? O que é isso?”

Fui no grupo do Skoob denominado “Livro Viajante”. Um grupo cheio de tópicos, todos padronizados (o que mostra organização), e cheio de comentários. Deste modo, descobri como funciona um livro viajante.

Um membro do grupo cria um tópico com as regras que deverão ser seguidas por aqueles que quiserem ler o livro que ele colocará para viajar. Os interessados, comentam o tópico colocando nome, e-mail, e cidade/estado onde moram. Então, é formada uma lista de pessoas que irão ler o livro, seguindo as regras previamente impostas.

O viajante começa. O dono do livro envia-o por correio para a primeira pessoa da lista. Esta terá um prazo para ler o livro. Terminado o prazo, o livro será enviado por correio para a próxima pessoa da lista, e assim por diante até terminar a lista. Se o dono do livro for legal, ele coloca o livro para viajar de novo!

Achei a ideia magnífica! Já pensou: poder ler muitos livros, com baixo custo (só o preço do envio). E sem ficar com muitos livros cumulados na estante. Porque, convenhamos, depois que um livro é lido, dificilmente ele será relido – a não ser que tenha sido muito especial e se tornado favorito.

Amei o grupo, e comecei a participar dos viajantes. O primeiro viajante que entrei foi o do livro citado acima. Acabei entrando em outros, mas demora a chegar a vez de ler, por conta da lista. E, alguns viajantes, demoram/demorarão um ano para completar a viagem.

Nenhum livro havia chegado ainda, até sexta-feira (14/10)! “Feliz Ano Velho”, do Marcelo Rubens Paiva. O qual, em breve terá resenha no blog. Agora, estou esperando para chegar “Meu nome é Will: Sexo, Drogas & Shakespeare”, do Jess Winfield.

Hoje (19/10) o grupo fará um ano de existência. Terão vários sorteios (mais ou menos 55) para comemorar. Fico muito contente em participar do grupo, pois ele é tudo de bom, com vários livros (quase 500), e um tópico chamado “DDP – Dois Dedinhos de Prosa”, onde podemos comentar sobre o que quisermos. Inclusive, dá uma compulsão por compras nesse tópico, cheio de links promoções! rsrsrs

PARABÉNS LIVRO VIAJANTE! FELIZ ANIVERSÁRIO!

E, gostaria que vocês lessem sobre a origem do livro viajante neste tópico: http://www.skoob.com.br/topico/mostrar/14998! Não sabia disto, e justamente, quando estava escrevendo o post, o tópico foi publicado.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Resenha: “Diários do Vampiro #3: A Fúria”, de L. J. Smith

 
Título original:The Vampire Diaries - The Fury”
ISBN: 9788501089366
Páginas: 235
Editora: Galera Record
Tradutor: Ryta Vinagre
Ano: 2009
Avaliação: 5 estrelas
 
Essa resenha contêm spoilers dos livros anteriores: "Diários do Vampiro #1: O Despertar” e “Diários do Vampiro #2: O Confronto”. Se não tiver lido-os ainda, clique nos títulos dos livros para ler as resenhas.
 
O terceiro livro da série Diários do Vampiro passa-se depois da morte de Elena. O carro de Matt caiu da ponte enquanto Elena o dirigia. Ela estava sendo perseguida por Damon. Mas, será que foi Damon quem causou a morte dela? Se foi não, quem mais seria?

Na verdade, Elena não morreu. Havia sangue dos irmãos Salvatore no corpo dela, sendo assim, ela se tornará vampira. Mas, precisa de sangue humano para continuar a transformação. Quem será a alma "caridosa" que irá ceder o líquido que dá vida aos vampiros?

Stefan não reconhece Elena. As mudanças externas foram poucas, mas por dentro, ela não está a mesma. Quando a transformação terminar, ela continuará com o mesmo comportamento?

No funeral de Elena (mesmo não encontrando-se o corpo), acontece algo muito estranho com os cães da cidade. Com isso, a tese de Elena de que há algo estranho em Fell’s Church ganha maior força e ela faz uma lista com quem poderia ser o Outro Poder na cidade.

Eu assisto “The Vampire Diaries”, que é a série de TV. Nela não aconteceu 90% de “A Fúria”, o que tornou o livro fantástico! Li-o em um dia de tão bom que estava. Foi o melhor livro da série até agora. Enfim um volume que não terminou no meio de uma cena, mas sim de uma forma diferente: com o relato de uma garota em um diário.

Achei a perspectiva sobre o mundo que Elena estava vivendo tão curiosa. Os relatos que ela fez no diário tornam-se diferentes, com as sensações de tudo ao redor dela, do novo jeito de ver o mundo. Mas, não fiquei louca para ler “Diários do Vampiro: Reunião Sombria”, pois não entendi o motivo que levou-a a fazer aquilo no final! A única coisa que eu gostei foi o final.

Ainda estou em dúvida qual das capas da série é a mais bonita, mas acho essa lindíssima!

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Resenha: “Cinderela Chinesa: a história secreta de uma filha renegada”, de Adeline Yen Mah

img021

Título original:Chinese Cinderella: The Secret Story of Unwanted childhood”
ISBN: 8535908455
Páginas: 176
Editora: Cia das Letras
Tradutor: José Rubens Siqueira
Ano: 2006
Avaliação: 5 estrelas

Dicas: Se vocês clicarem no nome das cidades que irão aparecer durante a leitura do post, surgirá uma lindíssima imagem panorâmica do local. Nos pictogramas, é o link do Google Tradutor para a palavra.

O livro “Cinderela Chinesa: a história secreta de uma filha renegada”, de Adeline Yen Mah é uma biografia da autora sobre a infância e parte da adolescência que viveu na China, entre 1936 e 1952, período em que ocorrem revoluções e guerras no país.

O título “Cinderela” veio muito a calhar, pois Adeline realmente viveu em condições bem parecidas à da Cinderela “italiana”. Italiana? Pois bem, no final do livro nós descobrimos que a Cinderela que conhecemos, da versão italiana, pode ter sido uma cópia ou adaptação da história chinesa, que é oitocentos anos mais antiga! Interessante também é que o livro contém a história da Cinderela Chinesa, em pictogramas e a tradução.

Pictogramas (象形图)? São aqueles desenhos (图纸), e livro têm vários deles, principalmente depois do nome de uma pessoa ou de um lugar.

A vida de Yen Jun-ling (no início explica bem como as pessoas se chamam, porque em cada ocasião é usado um nome. Yen é o sobrenome, e sobrenome chinês vem antes do nome.) é muito difícil. Ela têm 4 irmãos, e após o nascimento dela, a mãe faleceu. Por conta desse fato, os irmãos acham que ela trás azar.

Um ano depois da morte e nascimento de Jun-ling, o pai dela casou-se novamente. Jeanne tem dezessete anos, e é catorze anos mais nova do que ele, e ainda por cima, ela é eurasiana: meia francesa e meia chinesa. A madrasta terá um casal de filhos, e totalizará 7 filhos (3 meninas e 4 meninos).

Boa parte da infância, Jun-ling viveu em Tianjin (天津市), depois em Xangai (上海), e por último em Hong Kong (香港). Cada vez que eles mudam de cidade, normalmente o idioma muda. Como assim? Depende da concessão sob a qual a cidade estava. Outra informação muito útil é o mapa da China na primeira página, que ajuda se localizar durante a leitura.

Em Tianjin, Adeline viveu a parte menos difícil de sua vida na China. Mas, em Xangai, muitas mudanças aconteceram. Entre elas, na própria casa houve uma segregação, em que o primeiro andar (sala e cozinha) só podia ser usado livremente pelos filhos da madrasta. O segundo andar, só tinha os dormitórios dos pais, e os filhos do segundo casamento. Já no terceiro andar, ficaram todos os outros filhos, mais a tia e o avô.

A vida do filhos do primeiro casamento é totalmente diferente da dos irmãos: as roupas, a comida, até o corte de cabelo. Primeiramente, Yen estudava no colégio e dormia em casa. Mas, depois que a madrasta descobre uma falha que Yen cometeu, ela é mandada para um colégio interno em Tianjin, cidade que os comunistas chineses iriam ocupar em breve, e mesmo assim, os pais dela a mandaram para lá, sem dó e nem piedade.

A maioria das atitudes da madrasta, e falta de atitude do pai, que quando não fazia nada, agia com excesso, me deixaram revoltada! Algumas partes me fizeram chorar, chorar muito, como o episódio do patinho. A leitura me prendeu tanto, que li em apenas um dia.

A vida que Adeline Yen Mah viveu na China, ninguém deveria viver. Mas, o fim mostra que se você se esforçar, tentar sempre ser o melhor, ser bom nos estudos, dar valor às pequenas coisas, você pode sim e obterá muitas vitórias na vida. “Cinderela Chinesa: a história secreta de uma filha renegada” é um livro que recomendo para qualquer pessoa, jovem ou adulto, qualquer um irá se emocionar com a história.

Obs.: No capítulo “Pós-escrito” conta um resumo da vida da menina após o livro. Mas, a história completa está em “Falling Leaves”, que fiquei louca para ler, só que infelizmente, ainda não foi lançado no Brasil.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Olá leitores do Ler é Conhecer!

Recebi alguns comentários na minha última resenha, mas ainda não pude respondê-los, pois com a volta às aulas, meu tempo livre diminuiu.

Mas, logo logo irei comentar de volta tudo que vocês falaram e também terão novas resenhas.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Resenha: “Diários do Vampiro #2: O Confronto”, de L. J. Smith

Título original:The Vampire Diaries - The Struggle”
ISBN: 9788501086167
Páginas: 221
Editora: Galera Record
Tradutor: Ryta Vinagre
Ano: 2009
Avaliação: 4 estrelas

Essa resenha contêm spoilers do livro anterior: “Diários do Vampiro: O Despertar”. Se não tiver lido-o ainda, leia a resenha clicando no título do livro.

Em “Diários do Vampiro 2: O Confronto” (The Vampire Diaries - The Struggle), a autora L. J. Smith continua a narrativa a partir do chamado que faz Elena a Damon para que aparecesse. Na noite anterior, na festa de Halloween, ocorreu mais uma morte em Fell’s Church: do professor de história europeia, Sr. Tanner.

Antes do assassinato, houve uma pequena discussão entre Stefan e o falecido professor, pois o Sr. Tanner não queria usar o essencial em seu papel como Cadáver Sangrento: sangue falso. Mas, Stefan contornou a situação utilizando os Poderes.

Só que, depois do homicídio, as pessoas começam a especular que tenha sido Stefan o assassino. Afinal, ele havia brigado com o finado Sr. Tanner, e ainda por cima, o rapaz não compareceu as aulas no dia seguinte! Muito suspeito aos olhos de quase todos, não? Excerto aos de Elena, a única que sabe realmente quem é o autor do assassinato.

Após tudo que Stefan compartilhou com Elena na noite de Halloween, sobre a vida que ele mantinha na Itália Renascentista, e de quando se tornou vampiro… Quando ele cede, entrega-se aos instintos de vampiro, dando a Elena a sensação nunca antes sentida por ela. Fluindo de Elena para Stefan.

Ao ver que Stefan não está no colégio, Elena tem a certeza de que algo terrível aconteceu com ele! Não há outra explicação! O que aconteceu entre os dois foi intenso, somente algo grave o faria sumir do nada! A garota senti que o grande amor de sua vida corre perigo, provavelmente nas mãos de Damon.

O que irá acontecer no encontro de Elena e Damon? É realmente Damon o culpado pelo sumiço de Stefan? Onde estará Stefan?

Foi difícil fazer essa resenha porque se eu comentasse muito sobre o livro, iria estragar a surpresa. Por isso, citei mais o livro anterior: “Diários do Vampiro: O Despertar”.

A narrativa ocorre uniformemente em “Diários do Vampiro: O Confronto”. A diagramação mantém o mesmo estilo. Há maior em Damon e a capa logo confirma isso, pois é azul, a cor dos olhos dele.

A união entre Caroline e Tayler enfim mostra para o que veio. Bonnie torna-se mais útil por causa da paranormalidade. O Ford de Matt foi muito utilizado, mesmo sendo velho. Meredith esconde algum segredo em relação a família dela.

O que nos prende a série é o fato de que os livros não terminam no desfecho, mas sim no clímax, gerando grande expectativa para o próximo. Estou louca para ler “Diários do Vampiro: A Fúria”! Mas, não fiz isso ainda pois tinha que escrever essa resenha, e se começasse a ler, iria bagunçar tudo!

segunda-feira, 25 de julho de 2011

25/07 – Dia Nacional do Escritor

Hoje comemora-se o dia do escritor aqui no Brasil. Essa data tão importante, não poderia passar sem uma homenagem no Ler é Conhecer, correto?

O Dia Nacional do Escritor foi criado no ano de 1960, depois do I Festival do Escritor Brasileiro, realizado na União Brasileira dos Escritores, em 25 de julho do mesmo ano.

As sábias palavras escritas que nos marcam, as maravilhosas histórias que lemos, os incríveis mundos pelos quais viajamos. Tudo isso devido à imaginação do criador daquele livro, artigo, composição ou uma infinidade de gêneros literários que existem.

Às vezes, o autor daquele texto que amamos, nem é muito conhecido. Às vezes, o autor nem é quem pensávamos que fosse, e realmente quem o escreveu foi outro, e ainda sendo pago para não aparecer com o real criador, um ghostwriter. Às vezes, cremos que o livro tenha sido elaborado por tal sujeito, mas na verdade não era… Um erro ao creditar a autoria da obra, que só depois de muitas décadas ou séculos, é encontrado o verdadeiro autor.

 

Neste dia do escritor, gostaria de homenagear meus autores favoritos: Agatha Christie, que fascinou-me com os crimes elucidados pelo detetive Hercule Poirot. J.K. Rowling, que mostrou-me a magia de Howgwarts com o trio: Harry, Rony e Hermione. Marcos Rey, que descreveu-me os mistérios revolvidos por Léo, Gino e Ângela. Marian Keyes, com as divertidas histórias da família Walsh e outras protagonistas. E Sophie Kinsella, que trouxe-me a querida Becky Bloom e sua compulsão por compras.

Qualquer um pode ser um escritor, basta se inspirar em um assunto que lhe faça esquecer de tudo, e que apenas faço-o pensar em como incrementar aquele texto, com uma ajudinha talvez, pesquisando e tendo como base outros autores.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Resenha: “Flora Segunda”, de Ysabeau S. Wilce

Título Original: “Flora Segunda”
ISBN: 9788516055684
Páginas: 448
Editora: Salamandra
Tradutor: Cássio de Arantes Leite
Ano: 2007
Avaliação: 4 estrelas

O livro “Flora Segunda”, de Ysabeau S. Wilce descreve a história “de uma garota corajosa, seu parceiro de olhar vítreo, dois mordomos agourentos (um deles azul), uma casa com onze mil cômodos e um cão vermelho”.

Foi difícil encontrar informações sobre a Ysabeau S. Wilce, mas encontrei algumas. A pronúncia correta do nome dela é Iz-a-bow Wils. A autora é americana e é formada em História Militar. Além de “Flora Segunda”, foi publicada a continuação mas, ainda não foi lançada no Brasil. É intitulada “Flora’s Dare”, e com uma tradução livre para português seria: “Desafio de Flora”.

Flora Fyrdraaca, a protagonista, tem uma família desestruturada. O pai dela era militar e foi preso durante a Guerra em uma prisão Huitzil, permanecendo lá três anos. Depois de ser liberto, Pápi entregou-se ao álcool e ao cigarro, e passa dias e dias trancado no quarto, mas às vezes saí para perturbar. A mãe de Flora, Mama, é general comandante do exército e vive viajando. A irmã de Flora chama-se Idden, é capitã do exército, mas não mora em Crackpot Hall com os outros.

Como deu para perceber, toda a família é do exército e Flora será a próxima a ingressar, depois de seu aniversário de 14 anos, a Catorcena, maior idade. Todos os Fyrdraaca são soldados, mas será que Flora quer seguir a tradição da família?

Em Crackpot Hall, a casa da família Fyrdraaca que tem onze mil cômodos, havia um residente que cuidava de toda a organização. Só que ele foi banido, sendo que agora, a família só tem acesso a alguns cômodos, portanto, é Flora quem cuida da limpeza da casa. Mas, será que ela quer continuar a fazer o trabalho que não estava destinado a ela?

Amei a Flora, ela é tão corajosa! *--*

A diagramação do livro é linda de mais! Inclusive, gravei um vídeo mostrando o livro por dentro. Vocês têm que ver o quão belo ele é:

A história é bem engraçada. As trapalhadas da Flora e do Udo, o melhor amigo dela, são demais! A expressão “porcalhudo” é muito utilizada, empregá-la invés de palavrões seria uma opção melhor para qualquer pessoa, porque é engraçada e ninguém iria ficar chocado quando falasse! rs

Digamos que a Flora terá duas “missões”. A primeira é tão emocionante, que não dá vontade de parar de ler até terminá-la. A segunda é um pouco menos complicada, mas demora “séculos” para acabar, tem muitos obstáculos bobos e eu não gostei disso, enrolou de mais!

O final do livro é muito bom, mostra um exemplo de superação. Como eu disse, tem o próximo livro, mas ainda não foi lançado no Brasil, :(! Recomendo o livro para quem curte histórias do gênero aventura e fantasia!

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Indignações de uma bookaholic 2: Fechamento da Biblioteca Embarque na Leitura – Largo Treze

Para quem não sabe, no dia 6 de dezembro de 2007, foi inaugurada a Biblioteca Embarque na Leitura – Largo Treze. Ela era patrocinada pela Visa e pelo Instituto Brasil Leitor, e ficava na Estação de Metrô Largo Treze. Isso mesmo, havia uma biblioteca em plena estação de metrô.

Veja o vídeo que promoveu a inauguração da biblioteca:

Quem é fã de Harry Potter, já viu algumas das capas dos livros e/ou prestou atenção no vídeo, viu que no minuto 5:57 em diante, aparece o livro “Harry Potter e a Ordem da Fênix” sendo emprestado para uma usuária da biblioteca.

Hoje é 15 de julho de 2011, dia da estreia mundial do filme “Harry Potter e as Relíquias da Morte” – Parte II, o último filme desse aclamado sucesso mundial! Talvez não estejam entendendo qual a ligação do último filme, com os livros e a biblioteca, mas logo explicarei.

Eu li todos os livros da saga graças à maravilhosa biblioteca do metrô, e creio que muitos outros jovens também. Esse post, além disso, é o meio de me despedir do mundo de Harry. Nunca me esquecerei desse mundo mágico, mas, como não haverá mais nenhum livro e nenhum filme, esse post é o meu jeito de dizer “adeus” a saga.

A Biblioteca Embarque na Leitura – Largo Treze foi muito importante na minha vida. Com ela, descobri o prazer da leitura achei o gênero Chick-Lit, e as melhores autoras: Marian Keyes, Meg Cabot e Sophie Kinsella! Mesmo tendo lido livros juvenis, que normalmente, não são considerados bons livros por alguns, foi justamente com esse tipo de livro que eu comecei a gostar de ler, a pegar um livro com mais de 400 páginas e devorá-lo em apenas três dias. Mas, preconceito literário é assunto para outro post… Enfim, eu peguei o gosto pela leitura por causa da biblioteca. Eu li a Saga Harry Potter porque tive acesso à biblioteca. Mas agora, onde está a biblioteca?

Sumiu, há mais ou menos um ano. Na época, ela apenas ficou com portas fechadas e com um aviso dizendo que o acervo da biblioteca estava sobre “averiguação” (não me recordo bem quais eram os termos no aviso). Depois, ela fechou para valer. Isso me deixou indignada, mas não havia como expressar a indignação antes, pois esse blog não existia.

Fazendo a pesquisa para o post, só achei textos sobre a inauguração da biblioteca, muitos textos, floreios e floreios de como seria o projeto… Mas, olha que engraçado, não achei o porquê de a biblioteca ter fechado. A única luz que encontrei, foi no blog “As tontas vão ao céu”. Segundo o blog, o motivo seria porque “a biblioteca não está cumprindo as metas de cadastrados que os patrocinadores pedem.”

Vejamos dois arquivos PDF que eu encontrei por outra pesquisa, referente aos meses de junho e agosto de 2008: http://www.brasilleitor.org.br/www/pdf/Metro_SP_RJ_PE_junho.pdf http://www.brasilleitor.org.br/www/pdf/Metro_SP_RJ_PE_agosto.pdf

Sim, a Biblioteca do Largo Treze é era a que tinha menos sócios ativos e empréstimos em São Paulo. Mas, a Linha 5 – Lilás, onde se localiza a estação Largo Treze, é a mais isolada na malha metroviária/ferroviário da cidade, portanto, o número de usuários nessa linha é menor. Os patrocinadores já sabiam disso antes de aceitarem o desafio. Esse projeto beneficiava muitas pessoas, e  nos próximos anos, com a expansão da Linha 5 – Lilás até a Chácara Klabin, Linha 2 -  Verde, que atravessará na Linha 1 – Azul, a mais movimentada da cidade, o projeto cresceria mais e mais. Mas, não esqueçamos que esses dados são referentes a 2008. A biblioteca fechou em 2010. Será que em DOIS anos, o número de cadastros subiu? Provavelmente.

Vendo o site do Instituto Brasil Leitor, sobre as bibliotecas e seus respectivos patrocinadores, não encontrei o nome da Visa em nenhuma das três bibliotecas que patrocinava segundo o vídeo acima.

Será que a Biblioteca Embarque na Leitura – Largo Treze fechou por conta de poucos cadastros? Ou por que a Visa não quis/pôde mais patrociná-la, e sem o patrocínio, tiveram que sacrificar alguma das biblioteca, pois como manteriam três bibliotecas que nem atraso de livro cobram em dinheiro? Essa é a incógnita que não foi sanada.

O que há hoje no lugar que a biblioteca ocupava? NADA (retificando (24/07), existe um piano, em que qualquer um pode tocar, mas, poderia-se agregar-se a biblioteca também, óbvio) Estamos perdendo a oportunidade de ter acesso à literatura, dos clássicos aos best sellers atuais. Eu perco, outros perdem, todos na sociedade perdem, sem a Biblioteca Embarque na Leitura – Largo Treze.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Peça: “Memórias de um Sargento de Milícias”

Segunda-feira eu fui com o colégio ver a peça “Memórias de um Sargento de Milícias”. Achei muito importante a iniciativa do colégio de nos levar a um teatro. Além de ser um programa bem cut, é super acessível e incentiva o aluno a apreciar obras importantes da literatura brasileira de uma forma diferente, não necessariamente lendo o livro.

A peça é apresentada no Teatro Lucas Pardo Filho pelo Grupo Ria. No blog do grupo tem toda a história de como o Ria surgiu, explicações sobre as obras apresentadas, fotos do elenco, contato, enfim, todas as informações.

Memórias de um Sargento de Milícias” foi publicado em folhetim entre 1852 e 1853, depois foi publicado como de livro em 1854. Pertence ao período literário do Romantismo, que abrange os anos de 1836 a 1881 no Brasil. É de autoria de Manuel Antônio de Almeida e é uma obra de transição para outro período literário, o Realismo.

Ficha técnica da peça:

Direção e Adaptação: José Paulo Rosa
Assistente de Direção: Ailson Leite
Elenco:
Alessandra Lia
Andreza Rebucci
Chico Satiro
Eduardo Bearzoti
Gabriel Geraldini
Ila Ribeiro
Leo Maya
Marina Jorge
Rogério Lima
Figurino: O Grupo
Cenografia: José Paulo Rosa
Op. Luz: Tiago Cavasin
Som: Ailson Leite

A peça segue a ordem cronológica dos fatos, o livro não.

A apresentação começa na viagem de navio de Portugal para o Brasil no século XIX. Foi nessa viagem que Leonardo-Pataca conheceu a Maria das Hortaliças, com a qual teve um filho, o Leonardinho.

Mas, o coitado  do Leonardo-Pataca vivia sendo chifrado e na realidade, Leonardinho não era filho dele, mas durante toda a vida foi “considerado” como se fosse (considerado pois nem sempre esteve aos cuidados do pai). Depois de uma confusão por Maria ter sido descoberta como adultera, ela vai embora e deixa Leonardinho aos cuidados do padrinho e da madrinha.

O menino cresce, já está com 7 anos, é o mais “ENDIABRADO” da região, vive fazendo graças com os clientes do padrinho, que é barbeiro, uns clientes riem, mas outros ficam muito zangados com a criança.

Com 17 anos, ele não tem nenhum ofício e continua a arrumar confusões na vizinhança. E se ele não tomar jeito, o Sargento Vidigal irá prendê-lo.

Essa foi uma parte do enredo, para saber o resto leia o livro e se possível, veja a peça, né?!

A peça é super engraçada! Não posso esquecer de mencionar o bordão: “E CHIBATA!", rs! O elenco atua super bem!

Mas, não poderia faltar esse comentário: O Leonardinho, na verdade o Gabriel Geraldini, ao fim da peça, é de tirar suspiros da plateia feminina! Não posso comentar o que ele fez, porque se não estraga a surpresa, mas… MEL DELS, :$! Eu estava fazendo a pesquisa para fazer o post, e descobri que ele também atua em outra peça do Grupo Ria: “O Cortiço”, como o João Romão, um personagem muito importante! =D

Focando no elenco em geral novamente, é incrível a transformação entre o personagem e o ator. Os atores e atrizes são lindos, mas os personagens são um pouco estranhos e quando vemos o elenco descaracterizado, cada um como realmente é, muda BASTANTE!

Adorei a peça, gostaria MUITO de ver todas as outras, seria bem legal! Melhor ainda se o colégio marcasse de ver outra no próximo semestre *-*!

Fotos da peça “Memórias de um Sargento de Milícias” enviadas pelo grupo Ria: https://picasaweb.google.com/102105328936479706530/MemoriasDeUmSargentoDeMilicias?feat=directlink

terça-feira, 26 de abril de 2011

Resenha: "Diários do Vampiro #1: O Despertar", de L. J. Smith

 
Título original:The Vampire Diaries - The Awakening”
ISBN: 9789896570132
Páginas: 236
Editora: Galera Record
Tradutor: Ryta Vinagre
Ano: 2009
Avaliação: 4 estrelas
 
O livro "Diários do Vampiro - O Despertar" (The Vampire Diaries - The Awakening), de L. J. Smith conta a história de amor entre Elena Gilbert e Stefan Salvatore, uma humana e um vampiro. Mas há problemas, e um deles é Damon, o irmão de Stefan, que também é vampiro.
 
A autora, L. J. Smith, na verdade Lisa Jane Smith, é americana e nasceu em 1965 na Califórnia. Decidiu ser escritora desde criança. Escreveu algumas novelas, trilogias e séries, como "Night World". Mas a série mais conhecida é "The Vampire Diaries", que é adaptada para a televisão e recebe o mesmo nome da série de livros.
 
Elena Gilbert é o centro das atenções do colégio Robert E. Lee, uma garota linda e popular. Mas, depois que volta de férias da França, começa a achar que não pertence a Fell's Church, a cidade natal dela, ou melhor, não sabe onde é o lugar dela no mundo, ainda mais com a perca tão grande que sofreu há três anos.
 
Stefan Salvatore é um caçador, um vampiro, mas contróla-se e tenta sempre se alimentar de animais, e não dos humanos. Acabou de chegar da Itália para começar uma nova vida no novo mundo. Mas, Elena é uma tentação, ainda mais por trazer à lembrança uma pessoa muito importante do passado dele.
Damon Salvatore é irmão de Stefan e um vampiro misterioso. Ele é mais forte do que o irmão por se alimentar de sangue humano.
Além dos protagonistas, têm os amigos de Elena: Meredith, Bonnie e Matt. E Caroline, que já foi amiga de Elena e agora as coisas estão tensas entre elas.
 
A Elena é bem fútil no começo, mas depois vai melhorando. O Stefan é misterioso, se "esconde atrás de um muro" e o Damon é hiper misterioso.
 
A história começa bem morna e não dá para entender se o Stefan se importa com a Elena ou não! As cenas que eu mais gostei, são as românticas, que foi a depois do Baile de Reencontro, na pensão, e a festa de Halloween, quando as máscaras caem e alguns segredos são revelados.
 
O fim do livro deixa muita expectativa para o próximo, "Diários do Vampiro - O Confronto", pois acaba no meio de uma cena, não no fim! E, essa vontade de ler o próximo pode deixar alguém louco!

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Indignações de uma bookaholic 1: Multa por atraso

Essa será uma coluna do blog, mas ESPERO, tenham poucos posts nela, pois indignação cultural não é nada legal...
Agora, fala sério, todo mundo já teve um problema com livros! Desde danificações até demoras na entrega dos maravilhosos livros, ou CDs e DVDs.
O post de hoje será sobre um caso ocorrido essa semana: MULTA POR ATRASO.
  • O acontecimento:
Eu tinha que entregar os livros "Senhora" e "Introdução ilustrada à física" dia 15/04, uma sexta-feira. Mas eu esqueci de levá-los, e portanto, não pude renová-los.
Fiquei com preguiça de voltar ao colégio para entregar e fiquei com eles até 18/04, segunda-feira. O único problema, é que eu pensei que a multa não fosse ser cara e que só iria cobrar UM dia de multa, porque sábado e domingo não são dias úteis, mas...
  • A consequência:
Paguei R$ 12,00 (DOZE) de multa, lindo né? Descobri, que a multa por dia é R$ 2,00 (DOIS), mas como eu estava com DOIS livros e fiquei com eles TRÊS dias depois do prazo, a multa ficou esse horror!
  • As indignações:
  1. Essa multa foi muito cara, principalmente porque eu paguei pelo FINAL DE SEMANA, dias em que eu não vou no colégio! Se fosse só pela segunda-feira, ok.
  2. A burocracia também é enorme:
    Primeiro a bibliotecária escreveu essa ficha:
    Depois, eu tive que ir em outro andar, pagar no finanças e recebi essa nota:Obs.: "Se você perder esse papel, você tem que pagar DE NOVO", a atendente disse isso, '-'!
    Depois eu volto para a biblioteca e eu perguntei se poderia pegar "Senhora" de novo, a bibliotecária disse que eu tinha que levar o recibo na secretaria da biblioteca. Levei e demorou um pouco para o sistema ser liberado e eu poder pegar o livro de novo.
  3. Os livros que eu peguei não são muito procurados, se fossem lançamentos e muitas pessoas estivessem loucas para lê-los, seria ok o preço que eu paguei. Sendo assim, a multa deveria ser mais barata.
  4. Com esse dinheiro, eu teria comprado "Senhora" na versão de bolso, '-'!
  • A lição de vida:
Nunca mais, NUNCA MAIS atrasar UM livro, quanto mais dois e ainda por cima, se for um final de semana!

Fragment Friday 2: "A Morte no Nilo" de Agatha Christie

Meme Literário hospedado por James no blog Book Chic.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Resenha: "Sushi" de Marian Keyes


Título Original: Sushi for Beginners
ISBN:
Páginas: 560
Editora: BestBolso
Tradutora: Heloísa Maria Leal
Avaliação: 4 estrelas
O livro "Sushi" (Sushi for Beginners), de Marian Keyes narra a história de três mulheres: Lisa, Ashling e Clodagh.
A autora, Marian Keyes nasceu em Limerick, na Irlanda em 1963. Formou-se em direito, nunca exerceu a profissão e trabalhou em alguns escritórios. Passou por problemas com álcool, mas conseguiu superá-los. Hoje é uma escritora muito famosa no gênero chick lit.
Lisa Edwards é inglesa e editora da nova revista Colleen, do grupo Randolph Media. Ex-editora da Femme na Inglaterra, acabou sendo transferida para a Irlanda, o que deixou-a decepcionada, pois o próximo passo na carreira dela seria redatora-chefe da Manhattan em Nova Iorque.
Ashling Kennedy é irlandesa e foi demitida há pouco tempo da revista Woman's Place, mas já tem um novo emprego como editora assistente na Colleen. Tem uma amizade muito grande com os vizinhos: a Joy e o Ted, que é humorista.
Clodagh Kelly, também irlandesa, é a melhor amiga de Ashling. É casada com Dylan, têm dois filhos: Molly e Craig. A vida dela anda meio estagnada, pois mantem a mesma rotina: cuidar dos filhos a maior parte do tempo. E isso está começando a incomodá-la, fazendo-a ficar deprimida.
A vida das três se conecta, mas o vínculo maior não será somente pela relação de chefia Lisa-Ashling e nem a melhor amizade Ashling-Clodagh, haverá muito mais que isso, o que resultará em um colapso nervoso.
"Colapso nervoso", esse deveria ser o título do livro. O original "Sushi for Beginners" (PT: Sushi para iniciantes) encaixa-se bem, mas a parte do sushi, ou melhor, as partes, não são as mais significativas. Inclusive, colapso nervosos é citado no prólogo mostrando a importância dessa parte.
Gostei muito do livro e nunca imaginei que uma das personagens fosse fazer o fez. Foi surpreendente e C-H-O-C-A-N-T-E-! A personagem que eu mais gostei foi a Ashling, ela é um doce de pessoa! Enfim, todas as personagens sofrem algum trauma, que depois, as torna pessoas melhores.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Resenha: “O Diário de Bridget Jones” de Helen Fielding


Título Original: Bridget Jones's Diary
ISBN: 9788577990610
Páginas: 319
Editora: BestBolso

Tradutora: Beatriz Horta
Avaliação: 5 estrelas

O livro “O Diário de Bridget Jones” (Bridget Jones’s Diary) é considerado o marco inicial da literatura Chick Lit, romances bem-humorados para mulheres modernas. Foi lançado 1996 e foi adaptado para o cinema em 2001. No filme, Bridget é interpretada por Renée Zellweger.

A autora, Helen Fielding, nasceu em Yorkshire, Inglaterra, em 1958. Formada em jornalismo, trabalhava para a rede de televisão BBC.


Bridget tem uma carreira que não prospera e é apaixonada pelo chefe, Daniel Cleaver. No diário, normalmente, anota o peso, as unidades alcoólicas, os cigarros e as calorias ingeridas. Para começar o ano, faz uma lista de resolução do que irá e não irá fazer. Na festa de réveillon, conhece Mark Darcy, um pretendente que a mãe e a tia, Una Alconbury, insistem que a ela interaja, a final, Darcy é tudo de bom, de acordo com elas.


Bridget tem problemas de autoestima, é neurótica, mas muito engraçada! As reuniões com os melhores amigos são sempre regadas a álcool e um apoia o outro com relação as dificuldades profissionais e afetivas.


Gostei muito do livro, pois sou um pouco parecida com Bridget Jones. Esse não foi o primeiro Chick Lit que eu li, mas está entre os que eu mais gostei! Depois, assisti o filme, o que complementou legal toda a história.

O começo

Há algum tempo venho pensando em criar um blog literário, e que também tenha espaço para filmes, séries e música. Mas, o foco é literatura. Um dos motivos de eu ter escolhido essa tema é que eu A-D-O-R-O ler! É o meu hobby preferido. Depois vem: ver séries e filmes, e ouvir música. Por tanto, espero que as pessoas que têm os mesmos gostos que eu se interessem pelo blog.

Nunca se esqueça: A leitura é uma das melhores formas de conhecer o mundo sem sair de casa!

LEIA MUITO!